Praias

Bairro residencial em Seattle escondeu a maior fábrica militar da 2ª Guerra Mundial

Dennys Marcel - 13/4/2018

A fábrica, que havia sido contratada pelo governo para produzir 300 bombardeiros B-17 por mês, era considerada estratégica e precisava ser camuflada. O problema era o seu tamanho colossal, um prédio de 4,5 quilômetros quadrados que deveria ser disfarçado quando visto de cima. A preocupação dos americanos era que aviões japoneses localizassem a instalação e bombardeassem o local, causando um dano irreparável aos Aliados. Para solucionar o possível problema, eles decidiram construir uma cidade-cenário sobre o telhado do prédio.

Para ficar hiperrealista e não haver possibilidade dos japoneses descobrirem o gigantesco galpão, tudo foi projetado nos mínimos detalhes por funcionários de grandes estúdios de Hollywood, entre eles o consagrado designer John Stewart Detlie. O bairro foi construído em poucos meses e usou materiais leves, como ripas de madeira, panos coloridos e até penas de aves para evitar criar um grande peso sobre o telhado da fábrica.

A grama, por exemplo, eram tecidos pintados de verde e as árvores foram produzidas com pedaços de madeira, penas de aves e arames. Para diminuir ainda mais o peso, todos os prédios, cercas e árvores foram construídos em tamanho bem menor ao real, sendo mais baixos que uma pessoa. Importante lembrar, que o teto do imóvel não havia sido projetado para suportar sobrecargas.

Para não levantar a menor suspeita, a Boeing ainda contratou alguns figurantes que ficavam passeando pelo cenário, como se fossem habitantes da cidade. Afinal, seria estranho um bairro fantasma no coração de uma das maiores cidades norte-americanas. A estrutura ficou montada por aproximadamente dois anos e só foi desfeita após mais de um ano do término da guerra, em meados de 1946.